quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Cidades Fantasma no Brasil


Deu trabalho mas tá ai. Uma lista das curiosas cidades fantasma brasileiras.
Sempre tive muita vontade de conhecer algum lugar esquecido pelo tempo, que abriga as mais diversas historias, de como viviam as pessoas de lá, porque fugiram, o que aconteceu...
Pesquisei bastante a respeito desse assunto, e fiquei um pouco decepcionada pois as cidades mais legais são as estrangeiras, aqui no Barsil mesmo, pouquissimas são.
Muito triste isso, mas listo a seguir algumas, e afirmo que ainda irei visitar uma delas, Ararapira é a mais provavél, pois tem um fácil acesso pela ilha de Cananéia, onde mora minha vó.

Vilarejo de Ararapira - PR

O vilarejo foi fundado em 1850, quando quatro famílias se estabeleceram na região, um beco geograficamente estratégico: de um lado do braço de mar está Ararapira, no Paraná; de outro, a Ilha do Cardoso, em São Paulo. No apogeu, entre as décadas de 40 e 50, a vila oferecia até tecido inglês no armazém. O forte era a comercialização de farinha, arroz e peixe seco, levados para os municípios paranaenses de Guaraqueçaba e Paranaguá. O lugar era também reduto de bêbados, que de tempos em tempos lotavam a única cela da delegacia. Na festa do padroeiro, São José, em 19 de março, eles passavam dos limites.

Ararapira mergulhou numa irremediável decadência com a construção do Canal do Varadouro, em 1953, para a formação da ilha artificial de Superagüi. Em 1989 a área foi transformada em parque nacional e dez anos depois declarada Patrimônio Natural da Humanidade. A região é uma das mais bem conservadas da Mata Atlântica. Integra o Complexo Estuário Lagunar de Cananéia–Iguape–Paranaguá. O rigor das leis de preservação e a inexistência de projetos turísticos restringem as possibilidades de sobrevivência no local.

A situação persiste desde que as águas invadiram o vilarejo, forçando famílias a seguir para outras cidades. Muitos comerciantes e pescadores tornaram-se favelados, mas fazem questão de ser sepultados em Ararapira. Foi o caso de Maria Pires, enterrada em agosto, aos 87 anos. O cemitério é o único elo entre a vila e seus ex-habitantes. Dias antes do feriado de Finados, eles capinam a trilha. Retornam no dia 2 para acender velas e rezar para os mortos. E partem de novo.

Igatu -Ba


Igatu, a antiga Xique-Xique, é hoje uma pequena vila de cerca de 450 habitantes do município de Andaraí, perdida entre as montanhas da Chapada Diamantina, no sertão da Bahia. No auge da atividade garimpeira do diamante, entretanto, nos fins do século XIX, chegou a ter cerca 10.000 moradores, sendo uma das mais populosas e ricas da região, com casas e sobrados imponentes, dispondo de várias facilidades, como cartório, cabarés e até cinema. Uma das provas de sua passada riqueza é o imponente cemitério, construído a semelhança daquele da vizinha Mucugê. A lendária riqueza ali produzida foi objeto de tema de uma novela, a “Maria, Maria”, da Globo, de 1978, estrelada por Nívea Maria. Com o desaparecimento do diamante, nas primeiras décadas do século XX, Igatu, entre todos os centros garimpeiros da Chapada, foi o que mais sofreu. O êxodo maciço da população transformou a maioria de suas casas e sobrados em ruína. A localidade foi praticamente riscada do mapa e até as suas estradas de acesso foram abandonadas. A pequena população remanescente, que forma a atual vila, passou a dedicar-se a agricultura de subsistência. Até hoje, chegar lá é uma aventura, tal o estado precário das estradas.
O relevo montanhoso, o surgimento da cidade, do nada, as ruas de casas arruinadas, construídas em pedras, os rios encachoeirados, os caminhos e trilhas calçados em pedras irregulares, remetem à famosa Machu Pichu, do Peru. Hoje, Igatu é uma das principais referências na Chapada para o ecoturismo, ponto de partida para caminhadas de aventura (trekking), dispondo de algumas pousadas e restaurantes, simples, mas de comida muito saborosa. Há, ainda, um pequeno e charmoso museu e galeria de arte, que conta a história do local. Atrai muitos turistas pela sua singular história, pela beleza do cenário, o caráter pacato da vila, o clima, as vastidões desabitadas, a natureza intocada e, especialmente, pelo aspecto místico e romântico de cidade perdida.

Distrito de Serro - MG

O grande atrativo dessa acanhada vila é a famosa "Cidade Fantasma". Composta por três ruas, 30 casas fechadas e pela Capela de Nossa Senhora, esse aglomerado de casinhas recebe esse nome pois é habitada apenas no período da festa de Nossa Senhora das Dores. No mês de Julho, recebe grande fluxo de romeiros que preparam o local para a celebração.

A vila começou a ser construída há cerca de um século por trabalhadores de cidades da região. Como eles tinham que subir a montanha para rezar e ao mesmo tempo necessitavam de algum descanso, foram improvisando casas ao redor da única igreja da região.


O local apresenta uma ar bucólico e possui vista impressionante da região, sendo possível observar o Pico do Itambé. Ideal para meditar, passar o dia ou relaxar com os amigos e a namorada.

Entretanto, algumas casas já estão descaracterizadas, apresentando telhados e janelas modificadas. Além disso, não se sabe até quando o local ficará isolado da atividade turística predatória. Por enquanto, poucos visitantes são vistos na região e a pequena cidadela ainda se mantém limpa e agradável. Porém, com a promessa de novo asfalto na rodovia que conecta Mato Grosso ao Serro e a Conceição do Mato Dentro, o futuro é incerto, visto que não há grande preocupação com a preservação do local.

Vila de Jaguara - MG

A Vila Residencial Jaguara pertence ao Município de Sacramento, e fica a dez quilômetros do centro. A “cidade” de Braz tem área de 238 hectares – o equivalente a 310 campos de futebol -, 70 casas de três e quatro quartos, hotel, igreja, escola, ambulatório, clube, lago para lazer, aeroporto, infra-estrutura de água, esgoto, asfalto e iluminação.

A vila foi construída em 1970 para abrigar trabalhadores da usina hidrelétrica de Jaguara, implantada pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Até a década de 90, cerca de 400 moradores faziam do local uma verdadeira cidade, mesmo sem a área aparecer no mapa do Estado. A comunidade nem precisava sair de Jaguara para tratar da saúde, passear, ir à igreja ou às compras.

Por um programa de incentivo da empresa, ainda na década de 90, os moradores começaram a se mudar para cidades próximas, como Uberaba, Rifaina e Sacramento, em busca da casa própria. Desde então, ninguém nada mais nas piscinas do clube, as casas estão fechadas, a igreja não tem mais padre nem fiéis e o salão de festas não realiza mais bailes.

Mas o técnico industrial da hidrelétrica Júlio César de Oliveira, 43, tem um bom motivo para não esquecer de Jaguara: ele se casou na igreja da vila em 1986. Antes, quando solteiro, dividia uma casa de três quartos com outros amigos de trabalho. “Escolhi a igreja porque era bonita e diferente”, relembra.

Segundo o gerente regional das usinas da Cemig, Márcio José Peres, as vilas construídas para abrigar os trabalhadores foram perdendo a importância com o passar dos anos, já que o sistema de transporte público evoluiu e os empregados hoje podem ir para as usinas somente para trabalhar.

Espaços comuns
Em Jaguara, ninguém podia escolher casa e não havia distinção de classe. Morar em uma casa de três ou quatro quartos só dependia do tamanho da família. Do operário ao diretor, todos podiam usufruir dos espaços comuns.

“Ficava tudo cheio de barco, as mulheres tomando sol e as pessoas nadando no rio. Tinha muita criança de bicicleta pelas ruas. Quem vê isso aqui hoje não imagina como era”, afirma Braz. Atualmente, apenas ele e as 51 crianças que estudam na escola rural, que fica na vila, impedem que Jaguara se transforme numa cidade fantasma.

A Vila Residencial Jaguara vai a leilão pela segunda vez. A primeira foi no ano passado, mas não apareceram compradores. Segundo Braz, faltou divulgação para mostrar os benefícios que o empreendimento pode trazer ao turismo. Em outras vilas desativadas pela empresa, os imóveis foram vendidos separadamente. A usina Jaguara está no quarto lugar do ranking da Cemig de produção energética, com 424 mil kw.

12 comentários:

  1. Realmente, tá pegando gosto em escrever né? rs Quem diria...

    Muito interessante alguns lugares que vc cita, sabe que morro de vontade de conhecer Ararapira. Espero que me acompanhe nessa aventura rs

    besos do teu fe
    amovc

    ResponderExcluir
  2. é pq este post tá meio meloso, sabe.. rs...
    quero ir neste perto de canis. faremos uma viagem-familia pra lá.. ehehe..
    bjs.

    ResponderExcluir
  3. Ritoca:

    E aquela área do relógio (que a Rê já postou como uma das 7 maravilhas)?

    Ali também deve ser um lugar cheio coisas assombrosas

    ResponderExcluir
  4. Realmente só lugares interessantes rs

    ResponderExcluir
  5. conheci jaguara em 1993, qndo passei uma semana de ferias. meu pai é aposentado da camig. la era d+

    ResponderExcluir
  6. Sabe quanto era o lance para compra no leilão? sabe quando será o outro leilão?

    ResponderExcluir
  7. Muito massa, lugares bem interessantes. Existe também na Chapada Diamantina na Bahia um vilarejo próximo a cidade de Morro do Chapéu, a Vila do Ventura. O lugar viveu tempos de glória na época do garimpo, cheugou a ter Filarmônica, biblioteca, comércios variados, etc. Muito interessante é os seus casarões com fachadas de época, existiam também grandes números de franceses que moravam por lá. Fica a dica!

    ResponderExcluir
  8. Gente que coisa mais bella eu quero ir morar em jaragua, meu sonho viver em um lugar lindo assim.
    neilamarcia2009@hotmail.com

    Se alguem quiser ir comigo entre em contato.

    ResponderExcluir
  9. Adorei o post mas acho q se vc quiser pode pesquisar sobre mais uma cidade, se não me engano chama-se Fordlandia e foi construida na região Norte ou nordeste para abrigar o pessoal da fabrica da ford. A fabrica fechou e a cidade virou uma cidade fantasna. Desculpe se estiver errado mas não me lembro bem onde li isto, mas tenho certeza de q li algo a muitos anos atras a respeito. um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Passe as coordenadas para ver no google maps please?

    ResponderExcluir

Por favor comentar somente sobre o texto em questão. Isso não é bate-papo, e favor não falar sobre outros temas que não sejam deste post. Obrigado!